Processos para fomentar inovação e construir soluções centradas no consumidor

A necessidade de inovação é constante nas empresas. Com a pandemia e todas as mudanças que ela trouxe, a necessidade de criar novas soluções, repensar estratégias e propor soluções inusitadas para desafios de negócio se tornou ainda mais crucial.

A criatividade e a capacidade de pensar de forma inventiva são habilidades que todas as pessoas podem colocar em prática quando bem estimuladas e encorajadas. Temos trabalhado com a abordagem do Design Thinking para obter o máximo potencial criativo de grupos com consumidores e com os times das empresas em workshops criativos.

Nessa abordagem trabalhamos de forma a construir soluções que sejam centradas nas necessidades do público-alvo ao qual elas se destinam. Durante o grupo estimulamos os participantes a exercitar a empatia (ver pelos olhos dos outros e, com este novo olhar, pensar em soluções para o desafio), a colaboração (trabalhar juntos, ouvir ativamente, não julgar as ideias dos outros) e a experimentação (colocar em prática as ideias geradas, construir soluções a partir de erros e acertos).

Essa abordagem é recomendável quando há um desafio para uma marca ou categoria: como comunicar determinado benefício, como comunicar determinado posicionamento, determinar novos caminhos de inovação de produtos. Ou então, quando se deseja fazer screening de ideias e conceitos de produtos e aperfeiçoá-los a partir da percepção dos consumidores.

Uma das possibilidades para isso são os grupos de longa duração ou grupos sequenciais em que os consumidores entram em contato com o desafio e são estimulados a criar soluções para eles, a partir de uma dinâmica e técnicas que estimulam a criatividade para gerar ideias, depois selecionar as mais promissoras e colocar a mão na massa para produzir e concretizar as ideias criadas.

Outra aplicação para este tipo de trabalho é, a partir do uso de um produto, colocar o consumidor no papel de cocriador tanto de seu desenvolvimento como das formas de comunicá-lo, das formas de comunicar seus benefícios, seus atributos etc. Neste caso, temos trabalhado com comunidades online em que o consumidor participa por um tempo: usa o produto, propõe melhorias, traz insights sobre as formas de comunicá-lo, traz insights para a construção de seu conceito e do próprio produto e, em um segundo momento, consegue avaliar o material desenvolvido pelo cliente a partir de seus insights.

Este tipo de trabalho em comunidades online se presta também a desenvolver ideias de embalagem, comunicação e posicionamento em projetos em que o consumidor entra em contato com estímulos já em fase mais adiantada de desenvolvimento, dá sua opinião, faz suas contribuições e os estímulos são retrabalhados pelo cliente e apresentados novamente aos mesmos participantes em um estudo de duração de alguns dias ou semanas.

Por fim, também usando a abordagem do Design Thinking é possível trabalhar em workshops criativos com os clientes. Tanto para pensar novos rumos para suas marcas e linhas de produtos, como para criar a partir dos aprendizados de pesquisas já realizadas. Neste caso, trabalhamos com workshops de duração de um ou mais dias em que o grupo passa pelas seguintes etapas nesta ordem: compreensão e construção do desafio ao qual o grupo se propõe a resolver, pequena imersão com o público-alvo (o grupo faz neste dia entrevistas online de meia hora com consumidores previamente recrutados), geração de ideias, criação e planejamento concreto das ideias escolhidas (o que se chama de prototipagem – dar vida a ideias através de protótipos) e nova e breve imersão com o consumidor para ajustes das ideias criadas.

Camila TONI

Estudos Qualitativos

Camila Toni é psicóloga, formada na PUC de São Paulo e trabalha com pesquisa qualitativa há 20 anos.